Esse é o meu site pessoal. Eu sou o CEO da Donamaid, alumnus AIESEC e Fellow do Jovens Líderes das Américas (YLAI). Aqui eu escrevo sobre inovação, startups, marketplace, liderança e outros assuntos que eu gosto. Dúvidas? Me escreve no luiz@donamaid.com

15 dicas para você ter um Summit do YLAI Brasil incrível antes de embarcar para os EUA

Comments (0) YLAI

Compartilhe agora:
O YLAI não é férias tampouco um simples intercâmbio. Ele é um programa financiado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos voltado para o desenvolvimento de jovens líderes na América Latina e no Caribe.
Em outras palavras, eles identificam e selecionam aproximadamente 250 jovens líderes da América Latina e Caribe e os levam para trabalhar em empresas americanas em diferentes cidades, por um período determinado, além de participarem de atividades voltadas para o desenvolvimento da liderança em jovens.
No Brasil, costumam ser em torno de 20 selecionados por ano, de diferentes estados e atuando nos mais diversos tipos de organizações. Dentre os selecionados de 2018, por exemplo, você encontra desde uma líder em ONG de preservação das tartarugas até CEO de uma startup de tecnologia. Para ter acesso a todos os Fellows brasileiros de 2018 clique aqui.
Para melhorar a preparação dos Fellows brasileiros e fortalecer a rede do YLAI no Brasil, o Consulado Geral dos Estados Unidos em Sao Paulo costuma (grifo: costuma) apoiar um Summit em SP para reunir todos os Fellows de anos anteriores com os atuais, e proporcionar alguns dias de trocas e aprendizados entre eles. Com tudo incluso, é claro.
E é sobre como tirar o melhor proveito desse Summit que eu irei escrever aqui hoje.
Esse texto foi escrito do avião, enquanto eu retornava de São Paulo para Porto Alegre após 3 dias de Summit do YLAI, de 22 a 24 de agosto de 2018. Edit: os últimos tópicos desse texto eu escrevi após voltar dos EUA, em 10 de novembro de 2018, durante um voo que fiz de Recife para Porto Alegre após ter sido convidado pela Fellow Renata Albertim, líder do app Mete a Colher, para palestrar no REC’nPlay 2018, maior festival de empreendedorismo e inovação do nordeste. E os retoques finais no texto eu dei em 12 de janeiro de 2019, pouco antes de enviar o texto para os organizadores do YLAI como parte final da minha formação durante o Programa.
O texto é uma reflexão pessoal sobre o que eu gostaria de ter escutado antes de embarcar nessa jornada e o que eu conclui após observar e refletir sobre tudo, todos e cada conexão que tive com Fellows do YLAI 2016, 2017 e 2018 durante o Summit e o Programa em si.
Vamos lá?

Antes de ir para o Summit:

  1. A preparação (e as amizades) começam na sua cidade de origem
Logo após o resultado ser divulgado, procure matérias na internet sobre os fellows de anos anteriores. Busque eles no Linkedin ou no Facebook e se conecte com eles antes mesmo do Summit. Você pode procurar fellows por cidade (aqueles mais próximos de você) ou fellows por afinidade (aqueles que lideram projetos similares com o seu). Essas pessoas poderão incluir você em grupos fechados que a rede possui (no Whats ou em outros serviços online) e, assim, você já começa o networking.
No meu caso, eu procurei a Fellow de 2016 (Adriane Fernandes – líder da Ecommerce Coach) que havia participado do comitê que me avaliou durante a seleção, e ela rapidamente me incluiu em todos os grupos e eu pude começar a conhecer o pessoal. Ao chegar no summit, eu já tinha conexões com praticamente todo mundo e pude aproveitar o curto período presencial para estreitar os laços com aqueles que eu tinha maior afinidade.
  1. Reflita sobre você, seus objetivos e seu propósito antes de chegar aqui
Separe algumas horas na sua agenda para colocar no papel quais são seus objetivos no Programa.
Quais habilidades ou competências você deseja desenvolver em si mesmo que podem tornar você um líder melhor para sua organização, seus liderados, sua comunidade etc.?
No meu caso, foquei em desenvolver soft e hard skills essenciais para CEOs de Scale Ups (startups em fase de growth), tais como conhecimentos avançados em finanças e contabilidade, vendas, governança, retenção de talentos, estratégia, liderança etc.
Além disso, reflita também o porquê você está fazendo o que está fazendo. Você se enxerga fazendo isso daqui 2 anos? 5 anos? Qual seu propósito de vida? Quais passos ainda precisam ser dados para você cumprir seu propósito? Anote como o YLAI pode ajudar você a dar esses próximos passos.
A essa altura do Programa, você já deverá ter seu city hub (cidade onde ficará nós EUA) e seu city host (empresa em que trabalhará nos EUA).
Se você está super insatisfeito com a cidade ou a empresa em que você foi alocado e não quer se abrir para as novas possibilidades, desista antes e não vá nem ao Summit.
Não tire a oportunidade de outra pessoa que poderia fazer melhor uso dessa experiência.
Nesse sentido, vale alinhar as expectativas: o YLAI é um programa para desenvolver jovens líderes, e não seus negócios.
Por isso, eu não recomendaria criar expectativas que envolvam vender seu produto lá, conquistar um investidor para sua startup, internacionalizar sua empresa ou coisas do tipo (se isso acontecer é “lucro”).
O mais indicado é focar em desenvolver habilidades e competências de liderança em você mesmo.
Portanto, se você for para o Summit já sendo (ou se achando) um super líder, super empreendedor etc., nem o Summit nem o YLAI terão nada a agregar para você. Pense nisso.
  1. Deixe o trabalho em casa
Muitos Fellows tocam sozinhos seus negócios e, por isso, não conseguem se desligar das operações durante o Summit.
Para aproveitar ao máximo seu tempo no Summit, recomendo organizar com seus clientes/fornecedores/sócios rotinas de trabalho durante o período, tais como “apenas responderei e-mails, e será no período das 7am as 8am da manhã”. Também vale antecipar ou postergar entregas e, se possível, deixar alguém “formalmente” no seu lugar.
O Summit possui uma agenda de atividades que ocupam o dia todo e requerem sua máxima atenção. Ou seja, não haverá tempo (nem espaço) para você ficar trabalhando.
Se achar difícil, pense em usar essa oportunidade como um treino para o que virá quando você estiver nos EUA.
Não importa a “desculpa”, se você chegar atrasado ou faltar as atividades alguém chamará a sua atenção. Seja grato pela oportunidade de estar entre os poucos selecionados do seu país, ok?
  1. Deixe um espaço na mala para os presentinhos
— I see gifts.
— How often?
— Everytime!
Muita gente vem com uma malinha pequena, mas são grandes as chances de você voltar para casa com itens extras. Squeezes, moleskines, broches, flyers, presentes de outros fellows, vinhos e até mesmo um sapato perdido em um happy hour na FIESP podem acabar na sua bagagem.
Para não precisar deixar nada para trás, deixe um espacinho na mala reservado para isso.

Durante o Summit:

  1. Foque na qualidade, em vez da quantidade
Eu sei, essa é uma escolha difícil. Você possui apenas 3 dias e serão mais de 50 Fellows para conhecer, dentre os YLAI de todos os anos. Para complicar, a agenda é super apertada com Talks e Workshops durante o dia, e o único espaço real que você possui para jogar conversa fora é a noite.
Por isso, eu recomendaria focar em estabelecer fortes conexões com poucos Fellows em vez de conexões superficiais com todos os Fellows.
Ainda, aqui é importante aproveitar para se conectar mais com os Fellows de anos anteriores (Alumni), pois essa será provavelmente a única vez que você os verá pessoalmente em anos. Já os participantes do seu próprio ano você poderá encontrar ao menos 2 vezes lá nos EUA.
Assim, preste atenção nas habilidades e nas organizações lideradas pelos Fellows durante as apresentações iniciais e procure estar sempre por perto daqueles que podem lhe auxiliar no que você precisa. Da mesma forma, esteja aberto a ajudar aqueles que lhe procurarem. Em suma, convide essas pessoas para fazerem as refeições com você. Pergunte se elas gostariam de lhe acompanhar em algum passeio. Sente próximo delas durante as atividades.
Em meu caso, foquei em estabelecer umas 8 conexões significativas durante o Summit, e posso dizer que valeu a pena.
  1. Seu inglês é muito melhor do que você pensa
É verdade. Se você fez a entrevista em inglês e foi aprovado, é porque você dá conta do recado. Ponto final.
Durante o Summit, você provavelmente poderá ter a oportunidade de conversar com alguns funcionários americanos da Embaixada e/ou Consulado, aproveite para praticar ao máximo e se sentir mais seguro.
Também, alguns dos facilitadores das atividades preferem fazê-las em inglês. Em vez de reclamar ou criticar, eu recomendo aproveitar a oportunidade para praticar o listening e melhorar seu vocabulário.
Lembre-se: você está ali pelo trabalho que realiza e potencial de liderança que tem. O inglês é só um detalhe e todos estão ali para ajudá-lo.
  1. Aprenda a dar e a receber feedbacks, e pratique-os ao máximo
Durante o Summit você estará em uma imersão com dezenas de líderes do seu país, que provavelmente estarão na mesma fase do caminho empreender que você (ou alguns degraus acima), não pedir feedback seria um desperdício. Ainda, são grandes as chances de ter alguém que atua no mesmo negócio/ramo que você, então aproveite ao máximo para tirar insights para o seu negócio.
Por outro lado, se esforço para ajudar e compartilhar sua experiência e aprendizados com os demais fellows, pois sempre tem alguma coisa que nós podemos ajudar os outros com base em nossas próprias vivências.
De forma geral, utilize a seguinte técnica e você fará bonito: Feedback se recebe calado. Ponto final. Ou seja, quando você pedir um feedback e a pessoa lhe falar alguma coisa, agradeça e fique quieto. Não retruque, não se justifique, não invente desculpas. Apenas agradeça e fique quieto. Depois, quando você estiver sozinho, reflita sobre o feedback e decide se ele é válido ou não. Com essa técnica é certeza que as pessoas se sentirão confortáveis em lhe dar feedbacks e, com isso, você aumenta as chances de ouvir uma ideia sensacional para o seu negócio ou até mesmo de descobrir que precisa melhorar em alguma habilidade ou atitude sua.
  1. Compartilhar é melhor que ocultar
A Rede do YLAI é um local de confiança. Talvez durante o Summit você não se sinta tão confortável ainda e nem confie em todas as pessoas, mas saiba desde já que elas se tornarão grandes amigas e parceiras suas. Todas as pessoas que estão ali foram selecionadas em um rigoroso processo e compartilham uma série de valores e experiências com você, portanto, confie nelas.
Aproveite o Summit para compartilhar sobre seu negócio de forma sincera e holística, não esconda os fracassos. Todo mundo que está no Summit está trilhando uma jornada empreendedora e, por isso, está acostumado a fracassar também. Compartilhe seus erros, compartilhe o que aprendeu com eles etc.
Compartilhar seus números, seus aprendizados, suas ideias de futuro é a melhor forma de ajudar os demais Fellows a não cometerem os mesmos erros e também a lembrarem de você quando surgir uma oportunidade que se conecte com seus planos de futuro.
Aqui um exemplo bobo, mas que ilustra bem isso: Eu, por exemplo, amo dar palestras. E durante o Summit eu contei para todo mundo sobre como eu gostava de compartilhar histórias através de palestras. Alguns meses depois, surgiu uma oportunidade de falar sobre o YLAI e sobre Empreendedorismo lá em Recife, e adivinhem quem a Fellow Renata, de Recife, convidou para ir fazer isso? Eu mesmo. E ela só me convidou porque lembrou que eu havia dito o quão importante era isso para meus planos de futuro.
Da mesma forma, algumas meses após o YLAI eu estava escrevendo o meu projeto para o Reverse Exchange (uma oportunidade dos Fellows do YLAI trazerem ao Brasil profissionais americanos que foram importantes durante sua experiência nos EUA para implementar um projeto juntos aqui) e eu percebi que precisava de um Assessor de Imprensa para o projeto, então inclui um orçamento para contratar uma Fellow (Ester Atanásio) porque eu sabia o quanto ela gostava de trabalhar com Assessoria de Imprensa.
Em resumo, compartilhe tudo que é importante (sucessos e fracassos) e não oculte nada.
  1. Valorize você e suas histórias
Durante o Summit você conhecerá muita gente brilhante. Mas lembre-se: se você está lá é porque você merece um lugar junto dessas pessoas brilhantes. Cada um dos selecionados é único e possui uma habilidade única, algo de suma importância para a rede e para o futuro das nossas comunidades. Portanto, valorize o que você fez, quem você é e a história que você construir.
Um exercício muito interessante é você tentar identificar qual é o seu papel social e a sua habilidade única naquela rede. Por que será que você foi selecionado? Aproveite o Summit para identificar o que é esperado de você. Qual seu papel naquele grupo? Será que você será o líder? A maezona? A criativa? O curioso? Todo mundo tem seu papel social na nossa rede e o Summit é um dos raros momentos em que conseguimos identificar isso com tanta clareza.
Caso lhe convidem para compartilhar sua história (e haverão muitas dinâmicas para isso), não tenha vergonha. Levante-se e conte de onde você veio, quais foram seus obstáculos, o que você valoriza, quais são seus sonhos. Tenha certeza que existem pessoas ali genuinamente interessadas em ouvir tudo o que você tem a dizer e em ajudar você a atingir seus objetivos pessoais e organizacionais.
  1. Deixe os outros saberem o que você (ou seu negócio) precisa
Ninguém é capaz de ler a sua mente, portanto, externalize tudo o que você precisa. Não tenha medo ou vergonha de contar para as pessoas que você e/ou seu negócio possui pontos fracos. Precisa de ajuda jurídica? Diga isso. Precisa contratar um desenvolvedor? Compartilhe. Está com medo de embarcar (caso seja sua primeira experiência no exterior), conte isso!
No momento que você começar a se abrir, os Fellows começarão a pensar maneiras de te ajudar. Um fellow poderá te indicar um advogado (e inclusive nós temos alguns na rede), ou poderá te contar como ele fez para contratar um desenvolvedor, ou poderá compartilhar contigo como foi sua primeira experiência no exterior, com o intuito de te ajudar a superar seus medos etc. Confie nos Fellows e peça ajuda com o que você ou o seu negócio precisam, pois a rede é para isso.
  1. Mantenha-se aberto a novas possibilidades
Não tenha preconceitos com nada nem ninguém. Se te convidarem para uma dinâmica engraçada, vá! Se te convidarem para gravar um vídeo para um canal no youtube, vá! Se te convidarem para conversar com um funcionário do Consulado, vá!
Ou seja, vá com o coração e a mente abertos e aceite todas as oportunidades e possibilidades que surgirem, não tenha medo!
  1. Fale menos, ouça mais
Você irá perceber que alguns Fellows falam mais que outros – Eu, por exemplo, sou um dos falantes – haha. Mas a minha sugestão é que você fale menos e ouça mais durante o Summit (é o que eu faria se pudesse voltar no tempo). Isso porque talvez você não tenha mais a possibilidade de reencontrar todos os Fellows pessoalmente e/ou viver outros momentos tão propícios para trocar experiências como o Summit. Por isso, eu recomendaria ouvir bastante, tudo, o tempo todo, e compartilhar somente quando você tiver algo muito valioso para acrescentar.
  1. As melhores conexões serão feitas fora da agenda
Isso é certo! Apesar da agenda oficial (que é bastante cheia), você terá noites livres e a possibilidade de se conectar de forma mais profunda com os Fellows. Por isso, saia com o pessoal, vá jantar junto, vá dançar juntos. Um dos melhores momentos do meu Summit foi uma conversa em um restaurante, bebendo uma taça de vinho, com a Adriane Fernandes (Fellow de 2016) e alguns outros Fellows de 2018.
Durante essa conversa, a Adri compartilhou conosco suas experiências e isso nos aproximou ainda mais dela. De lá para cá, a Adri se tornou uma grande amiga minha, e ainda a visito praticamente todos os semestres. São essas conexões fora da agenda que constroem as relações que levaremos para a vida toda.
  1. Mantenha-se curioso
O Summit é um caldeirão de novos conceitos e técnicas. Não poderia ser diferente, quando você reúne jovens líderes de todas as regiões do Brasil em um único lugar, muito aprendizado (coisa nova mesmo!) aparece. Por isso, mantenha-se curioso o tempo todo.
Conheceu alguém de outro estado? Pergunte como as coisas são feitas lá. Conheceu um americano? Pergunte sua opinião sobre determinado assunto. Ouvir uma expressão ou um conceito que não conhece? Pesquise mais sobre isso no google ou vá jantar com a pessoa para entender mais sobre o assunto.
Eu, por exemplo, conversei muito com alguns Fellows que tinham aspirações políticas, que trabalhavam em empresas de tecnologia, que tocavam ONGs…. Isso tudo porque eu tenho interesse (e consequentemente curiosidade) sobre esses assuntos. Cada nova sessão é uma oportunidade de aprender algo novo, e eu fiz um bom uso dessas oportunidades ao me manter curioso. Recomendo que você faça o mesmo.

Depois do Summit:

  1. Use o networking estabelecido no Summit para embarcar mais preparado
Após todo o networking que você constrói no Summit mantenha essas relações virtuais e aproveite para embarcar ainda mais preparado. Por exemplo, procure se conectar com os Fellows que foram para a mesma cidade que você vai ir. Eles poderão lhe ajudar a se conectar com empresas e/ou pessoas relevantes nessa cidade.
Também, os Fellows anteriores poderão tirar suas dúvidas sobre como usar da melhor forma o dinheiro que você receberá durante a experiência do YLAI, como aproveitar melhor a sua experiência para desenvolver seus objetivos com o YLAI entre outros.
Se você não souber como se afastar da sua empresa por 4 semanas sem prejudicá-la, por exemplo, procure os Fellows que passaram por isso e aprenda sobre a experiência deles.
Enfim, use todo o networking para embarcar ainda mais preparado. Por isso, guarde T-O-D-O-S os cartões de visita que você irá receber. Eles serão úteis no futuro!
Conclusão
 
O Summit do YLAI no Brasil é uma das oportunidades únicas que o YLAI oferece, e você precisa estar organizado e preparado para tirar o melhor proveito dele.
Por isso, experimente refletir sobre essas 15 dicas que eu preparei para você e tente aplicar todas aquelas que fizerem sentido na sua experiência, pode ser que você se surpreenda.
Eu, particularmente, gostaria muito de ter tido acesso a um material como esse antes de ir para o meu Summit, com certeza teria me ajudado a tirar o melhor proveito de toda a experiência.
Na imagem eu estou com meus anfitriões Leilani e Doug na Tack Mobile, empresa de Denver, Colorado, onde trabalhei durante minha experiência do YLAI. Eles foram incríveis e meus objetivos foram atingidos.
E se você estiver lendo esse material durante o processo de aplicação para o YLAI, aplique mesmo! Não desista do processo, vá até o fim. Mesmo que você não acredite, você tem sim chances de ser um ótimo Fellow para a nossa rede. Mas caso esteja lendo esse texto após ter sido aprovado, não deixe de me contatar nas Redes Sociais, eu estarei inteiramente disponível para lhe ajudar ao longo da sua jornada.
Um forte abraço!
Luiz Gilberto Camargo
YLAI Fellow 2018 in Denver, Colorado – Fellow from Brazil
Compartilhe agora:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *